Segunda-feira, 24 de Maio de 2010
CRIME ORGANIZADO

O “plano de salvamento” adoptado pela União Europeia (UE) e pelo FMI impede os debates e medidas democráticas que há que impor na Grécia e em toda a Europa: abertura dos livros de contas (dos estados, dos bancos, das empresas) e balanço do fracasso da UE neoliberal como atesta o recurso ao FMI.



publicado por livrecomoovento às 02:40
link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 18 de Maio de 2010
A UNIÃO EUROPEIA QUE TEMOS

É esta a União Europeia que queremos? Exigente com os mais frágeis e tolerante com os poderosos? Onde está o sentido de solidariedade que inspirou a criação desta União de Estados que até criou uma moeda única a que alguns ficaram dispensados de aderir?

Que Europa unida é esta que, à primeira dificuldade dum Estado membro, a Grécia, ameaça expulsá-lo da comunidade?

Infelizmente, é esta a União Europeia que nós temos, comandada pela política saída da assinatura do Tratado de Lisboa.

Já não nos bastava ficar ligados à “guerra aos fantasmas” que vitimou milhões de inocentes no Iraque, quando patrocinámos a Cimeira das Lajes, temos que ser, ainda e também, historicamente referenciados como o país onde, sob o signo da união, foi assinado o documento onde poderá ter começado a sua desintegração.

Os governos já não se preocupam em criar condições de desenvolvimento económico, investindo em áreas reprodutivas e geradoras de emprego estável. Apenas se preocupam com o que as agências de “rating” cozinharam na noite anterior.



publicado por livrecomoovento às 17:23
link do post | comentar | favorito
|

Domingo, 9 de Maio de 2010
FASCISMO FINANCEIRO

"O fascismo financeiro é talvez o mais virulento. Comanda os mercados financeiros de valores e de moedas, a especulação financeira global, um conjunto hoje designado por economia de casino. Esta forma de fascismo social é a mais pluralista na medida em que os movimentos financeiros são o produto de decisões de investidores individuais ou institucionais espalhados por todo o mundo e, aliás, sem nada em comum senão o desejo de rentabilizar os seus valores. Por ser o fascismo mais pluralista é também o mais agressivo, porque o seu espaço-tempo é o mais refractário a qualquer intervenção democrática. Significativa, a este respeito, é a resposta do corretor da bolsa de valores quando lhe perguntavam o que era para ele o longo prazo: "Longo prazo para mim são os próximos dez minutos." Este espaço-tempo virtualmente instantâneo e global, combinado com a lógica de lucro especulativa que o sustenta, confere um imenso poder discricionário ao capital financeiro, praticamente incontrolável apesar de suficientemente poderoso para abalar, em segundos, a economia real ou a estabilidade política de qualquer país.

A virulência do fascismo financeiro reside em que ele, sendo de todos o mais internacional, está a servir de modelo a instituições de regulação global crescentemente importantes, apesar de pouco conhecidas do público. Entre elas, as empresas de rating, as empresas internacionalmente acreditadas para avaliar a situação financeira dos Estados e os consequentes riscos e oportunidades que eles oferecem aos investidores internacionais. As notas atribuídas - que vão de AAA a D - são determinantes para as condições em que um país ou uma empresa de um país pode aceder ao crédito internacional. Quanto mais alta a nota, melhores as condições."

(Boaventura Sousa Santos - VISÃO)



publicado por livrecomoovento às 12:06
link do post | comentar | favorito
|

Segunda-feira, 3 de Maio de 2010
O 1º. De Maio é de Luta (cada vez mais)

“…

Se se resignam, sob a coacção da força publica, a viverem do seu salário, taxado pelas exigências da classe capitalista que as explora, ellas só poderão quando muito, reproduzir-se e morrer, na mais extrema miséria!

Teem braços para alugar aos que d’elles carecem, aos que amontoam á sua custa grandes fortunas!

Valem, podem e vivem como escravos de nova espécie! Se pelas leis politicas são irrisoriamente proclamados soberanos: pelas leis económicas são mais míseros que os antigos escravos dos Pharaós e dos Cesares!...”

(Harmonias Sociaes, Cap. 15º.  –  Manoel d’Arriaga)

O traidor e o oportunista

Os líderes do PS e do PSD reuniram-se, curiosamente, na semana que vai desde o dia 25 de Abril ao dia 1º. de Maio, para dar um sinal. Quando seria de esperar algo de inovador, afinal a montanha pariu um rato. Um rato pestilento, uma ameaça para a saúde dos rendimentos dos trabalhadores e mais um castigo para quem tem a infelicidade de estar desempregado.

Quando o mais esperado seria um acordo que retirasse aos usurpadores os milhões, sonegados ao erário público, em prémios atentórios da dignidade de quem trabalha. Um acordo que proibisse e criminalizasse a atribuição de remunerações obscenas, cujo valor daria para criar pleno emprego no país; juntou-se o traidor ao oportunista e assistimos a este “sinal”: “os desempregados que paguem a crise”.

O problema da nossa economia é a estagnação económica e o desemprego. Um país não pode crescer entregando o dinheiro de todos aos especuladores acantonados nos grupos financeiros que, do nada, “fabricam” produtos que impigem ao mercado bolsista, sonegando o dinheiro real das pequenas poupanças para depois o transferirem para os paraísos fiscais, deixando os pequenos investidores com um “papel” que nada valerá no final.

A deslocalização de empresas e o desinvestimento nos sectores primário e secundário conduz, inevitavelmente, ao desemprego, à precariedade, à pobreza e à exclusão social.

Os sinais encapotados, indicativos das prioridades geográficas de investimento, são o prenúncio das desigualdades territoriais, a machadada no desenvolvimento harmónico, sustentado e complementar da economia duma Região.

Mas, não é enterrando a cabeça na areia, à espera dum “salvador”, ou que os especuladores se enterneçam, que se muda o rumo das decisões políticas. É intervindo activamente. É participando e mostrando a revolta que tentamos, em vão, apaziguar que se pode mostrar o nosso descontentamento.

 

“Apoz um malogro de dous mil annos d’um regímen religioso, moral, civil e politico, em que ficou sem solução o problema da Justiça para a quasi totalidade do género humano: é tempo de se acabar com esta incaracterística tibieza de vontade, com esta ultrajosa cobardia d’animo de todos no que respeita ao que há de mais substancial e delicado na consciência humana – a Justiça!”

(Harmonias Sociaes, Cap. 15º.  –  Manoel d’Arriaga)

 

Justiça

Por isso, o 1ª. de Maio que, ultimamente, tem vindo a ser de festa, pelas conquistas alcançadas, é, agora, novamente, e cada vez mais de luta pela reconquista dos direitos perdidos, pelo progresso social e pela Justiça.

 

Mário Moniz



publicado por livrecomoovento às 09:07
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Janeiro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


posts recentes

ESCOLARIDADE OBRIGATÓRIA

PLANO E ORÇAMENTO PARA 20...

O FAIAL E OS TRANSPORTES ...

O Milagre Económico

Os pontos nos iis

NÃO DEIXES QUE DECIDAM PO...

O MEDO E A CACICAGEM

Um político que de irrevo...

SEMANA DO MAR - Programas...

O CISCO A ENCOBRIR A TRAV...

arquivos

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Junho 2006

links
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds