Domingo, 27 de Março de 2011
FALHANÇO DO CENTRÃO E ELEIÇÕES A FINGIR

Parafraseando um dos habituais “comentadores de serviço” mais irreverente, PS e PSD estão condenados a não colaborar, pelo que não é de esperar qualquer entendimento para a formação dum governo que inclua as duas faces da mesma moeda. Quando seria de esperar uma explicação política para esta afirmação, altamente fundamentada e irrefutável, baseada em princípios ideológicos divergentes e projectos económicos inconciliáveis, pasme-se, porque o motivo apresentado foi bem mais simples e evidente: “se estiverem juntos, não há tachos para todos”.

Afinal, a crise política resume-se a este facto: “não há tachos para todos”! Explicação simples e directa à realidade.

Mas é estranho que as pessoas continuem a acreditar nas patranhas que nos receitam os alternantes desta política quando referem a necessidade de diminuir a influência do Estado. Referem, mas não dizem onde, porque tencionam diminuir o peso da responsabilidade é nas pensões, na saúde, na educação, na formação profissional e nos apoios sociais. Nunca os ouvem falar em limitar os ordenados chorudos dos amigos, em criminalizar o enriquecimento ilícito, em taxar os ganhos indecentes. Nisto, PS e PSD, estão sempre “unha com carne”, como na recente votação sobre o assunto na Assembleia da República. Pudera! São os tachos dos amigos que estão em causa.

É também estranho que as pessoas se preocupem em adivinhar qual vai ser menos aldrabão, se Sócrates, se Passos Coelho, interiorizando que a aldrabice é uma inevitabilidade de quem governa e para a qual não há alternativa política. Ou, ainda, se deixem seduzir pelo discurso fácil e demagogo, dirigido aos impulsos sensoriais do que as pessoas querem ouvir.

Pena é que este falhanço do “centrão” se deva à falta de tachos e não à consciencialização das pessoas pela evidência duma prática política desastrosa, tirada a papel químico.

A incompatibilidade da distribuição de tachos a dois, levou o PSD a precipitar a crise que sempre jurou, “a pés juntos”, tentar evitar. Aproveitou o discurso de arrogância umbilical de Cavaco e, na primeira oportunidade, vaticinou: “é agora que vamos ao pote”. Oportunidade que nada teve a ver com política económica, mas apenas com o facto de Sócrates estar a negociar com a sua amiga Angela sem dizer nada a ninguém. Ou seja, agiu por ciúmes.

Esqueceu-se que a política que tem para aplicar, é uma cópia corrigida e aumentada das soluções que tem ajudado o PS a implementar. Aos poucos vai-se lembrando que, ao contrário do que afirmava, tem que aumentar impostos, e começa logo pelo IVA, um imposto “cego” e injusto que atinge ricos e pobres por igual. Sócrates reage, mas aceita reduzir o IVA, apenas nas actividades ligadas ao golfe. Parece anedota, mas não é.

Passos Coelho contraria-se constantemente ao ceder às diferentes pressões que vêm de vários sectores do seu partido, e já afina pela necessidade constantemente incutida de que, para manter esta política, tem que promover um consenso alargado que inclua o próprio PS que tanto critica, mas que, afinal, quer como aliado.

Teremos então umas eleições a fingir, para “Inglês ver”, com a única intenção de justificar a promoção duma AD alargada que nos dê mais do mesmo, ao invés duma alternativa que rompa com a política do desastre e do caminho para o abismo.

Até quando vamos aturar isto?!



publicado por livrecomoovento às 21:39
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

Domingo, 13 de Março de 2011
DESEMPRECÁRIOS

OU GERAÇÃO À RASCA?

Os “Deolinda”, com a sua música “Que parva que sou” trouxeram, à ribalta, um dos problemas fulcrais da nossa sociedade: a insegurança quanto ao futuro duma geração que vive “à rasca”, sem perspectiva de trabalho estável.

Avoluma-se a revolta latente numa juventude que se sente precocemente envelhecida. Envelhecida pelo desânimo, pelo adormecimento a que está sujeita e para onde, desde muito cedo, foi paulatinamente conduzida.

O conceito rebatido da inevitabilidade do ciclo vicioso e da recauchutada alternância dos mesmos de sempre serve para impedir o alargar de horizontes a qualquer alternativa que rompa com o marasmo que conduz invariavelmente ao mesmo fatalismo.

Cresce a tristeza pela constatação do vazio ideológico e da instigação soez. Instigação, pela sociedade, a um individualismo ultra egoísta, para a sobrevivência em função do mediatismo, da formatação do pensamento aos interesses economicistas vigentes, da guerra ao vizinho, do desprezo por quem esteja em piores condições.

A mentalidade incutida tende para a afirmação pessoal por conta do mal dos outros, numa luta, sem olhar a meios, para ascender ao patamar económico ou social superior, em detrimento, frio e calculista, de quem possa ficar na miséria.

Aumenta o desencanto pelas promessas não cumpridas, pela criação de falsas expectativas.

Falsas expectativas num futuro promissor, na elevação intelectual e na alavancagem das capacidades adquiridas.

Triste País onde, “… para se ser escravo é preciso estudar”, dizem os “Deolinda”. Em contrapartida, digo eu, para ser “senhor” basta ter dinheiro, ou consegui-lo, não interessa como, basta ter “padrinhos” ou pertencer ao clã. Competências!? Só interessam as que possam facilitar o “espertismo”, o tráfico de influências, a fuga ao fisco ou a falta de moral para as negociatas.

Os comentadores de serviço vieram logo refutar o grito de revolta com os seus conselhos de pessoas “credíveis e experientes (?)”: Sabem criticar, mas não fazem nada de concreto! Está nas mãos deles alterar a situação. Porque não o fazem?

Tentam, assim, fazer passar a mensagem de que a culpa é de quem se vê defraudado nos seus propósitos, mercê de promessas vãs e enganadoras. É a mesma fórmula que usam para convencer os pobres de que são eles os culpados da sua própria pobreza e da enganadora fatalidade da sua condição.

Porém, desta vez, os gritos de revolta multiplicam-se e dão claros sinais à sociedade, como a recente votação na canção dos Homens da Luta que venceu o Festival RTP da Canção. Movimentos espontâneos, como o da “Geração à Rasca” que juntou centenas de milhar de pessoas por todo o País, são um claro e rotundo “NÃO” às práticas económicas e financeiras desta política de direita que nos tem governado desde que Mário Soares anunciou que iria meter o socialismo na gaveta.

As medidas que o governo de Sócrates tem vindo a implementar com o beneplácito do PSD e a mando da Alemanha, já são tão afastadas de qualquer sombra de ideologia socialista que só ao fundo do túnel se poderão confundir com qualquer coisa que seja defender o Estado social, o investimento público, ou as pensões dos idosos.

O problema já não é de medidas, é de alguém ainda acreditar neste governo. O Presidente da República não acredita que ele possa continuar as políticas que lhe interessam, para além da maior parte do trabalho sujo já estar feito; os mercados não acreditam porque sabem que é “contra natura” governar à direita com um pretenso discurso de esquerda; o PSD não acredita porque não controla os desvarios de Sócrates e já tem medo que lhe caia o poder nas mãos; os socialistas cada vez acreditam menos, embora se agarrem ao seu líder como se fosse uma tábua de salvação, tal é a desorientação e a perplexidade reinante; e a verdadeira esquerda nunca acreditou, porque confundir esta prática governativa com qualquer ideário socialista é como tapar o sol com uma peneira.



publicado por livrecomoovento às 19:45
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Janeiro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


posts recentes

ESCOLARIDADE OBRIGATÓRIA

PLANO E ORÇAMENTO PARA 20...

O FAIAL E OS TRANSPORTES ...

O Milagre Económico

Os pontos nos iis

NÃO DEIXES QUE DECIDAM PO...

O MEDO E A CACICAGEM

Um político que de irrevo...

SEMANA DO MAR - Programas...

O CISCO A ENCOBRIR A TRAV...

arquivos

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Junho 2006

links
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds