Domingo, 31 de Julho de 2011
AO SABOR DA BURGUESIA FINANCEIRA
Cavaco Silva confuso com a mutabilidade tonta dos banqueiros não sabe mesmo o que achar sobre as agências de raiting. Questionado pelo Expresso, e sempre com um bonito ar de resposta, diz ter muita razão quanto à sua mudança de opinião. Quando perguntado Cavaco esclarece: antes devíamos ter em atenção a opiniões das agências de raiting e usá-las como medidores da eficácia das políticas orçamentais e do estado das finanças públicas, agora não devemos, porque a situação é diferente e a Moodys foi injusta com Portugal e com o novo governo. Coerente, até aqui. Contudo, questionado sobre a necessidade de uma agência europeia, Cavaco esclarece, desta vez, que pode ser mais que isso, que estão a ser estudadas possibilidades de não serem tidas em conta as opiniões das agências de raiting, porque os Estados Europeus não podem estar dependentes de três agências Americanas.
O que não se percebe neste tonto raciocínio é que se a Europa não pode estar dependente de três agência de raiting Americanas, e tem que estudar outras possibilidades, porque é que antes as devíamos ter como vacas sagradas de notação dos Estados?
A conclusão parece-me clara: Cavaco Silva anda com pouco tempo para jantar com os banqueiros Portugueses e não sabe muito bem como se justificar. 
Nisso a Esquerda é clara: agência de raiting Europeia, pública e independente. Bem diferente do que aí circula: agência de raiting Europeia, privada, dependente dos interesses financeiros.


publicado por livrecomoovento às 13:45
link do post | comentar | favorito
|

Sábado, 30 de Julho de 2011
COLOSSAL BURACO DE EXPLICAÇÃO

Há "um colossal buraco de explicação" do Governo relativamente ao contributo do corte na despesa pública para o saneamento das contas do Estado.

Ano e meio a esta parte, o PSD anunciou que sabia tudo sobre como cortar na despesa, rubrica a rubrica (...). O buraco inteiro estava resolvido há um ano e meio pelo PSD.

Nem um milímetro se mexeu a este respeito, a não ser o subsídio de Natal. Há aqui "um colossal buraco de explicação".

Até agora, existiu apenas "um colossal aumento de impostos".

iSTO não é um esforço colossal, é uma desigualdade colossal.



publicado por livrecomoovento às 10:37
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

Quarta-feira, 27 de Julho de 2011
COLOSSAIS NOMEAÇÕES - A AUSTERIDADE TEM OS SEUS LIMITES

Um COLOSSAL exemplo está na nomeação da nova administração da Caixa Geral de Depósitos (CGD), com destaque para a ida de Nogueira Leite para vice-presidente do banco público. Provindo do grupo Mello, o novo vice-presidente da CGD é conselheiro nacional do PSD e conselheiro do seu líder Passos Coelho. Em 2010, o destacado economista do PSD era membro de, nem mais nem menos, 17 administrações de empresas, bancos e institutos. A administração da CGD é um job luxuoso para destacados boys do PSD e do CDS (os do PS já lá estão).

Colossal! O adjectivo ganha propriedade, mas... para ilustrar o brutal corte no rendimento dos trabalhadores portugueses e a gigantesca redistribuição de rendimentos a favor dos mais ricos e dos amigos do governo. Para combater esta enormidade todos teremos de nos preparar para dignas mobilizações sociais.



publicado por livrecomoovento às 02:18
link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 26 de Julho de 2011
OS LACAIOS DO CAPITALISMO PERDERAM O DECORO

Fernando Ulrich considerou que as regras de capital não têm nada a ver “com os problemas e as necessidades da economia portuguesa neste momento”, “são negativos para a economia portuguesa” e são “um confisco aos accionistas dos bancos”.

Ora aí está. O banqueiro preocupa-se principalmente com a remuneração aos accionistas dos bancos, ou seja com o que podem ou não roubar à economia.

Preocupar-se com os meios de financiamento que dinamizem a economia e criem emprego, não importa.

É preciso não ter mesmo vergonha nenhuma, ou está passando um atestado de ignorância aos portugueses?



publicado por livrecomoovento às 01:27
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

Domingo, 17 de Julho de 2011
OS DESVIOS COLOSSAIS

Tornou-se recorrente, de governo para governo, o uso do argumento de desvios colossais nas contas para que os respectivos mandantes possam implementar as suas políticas, não como opção dum projecto assumido, mas como se dum recurso sem alternativa se tratasse, deitando-nos, assim, muita poeira para os olhos.

Guterres foi-se embora porque não conseguia controlar os desvios colossais, e foi promovido a Alto-Comissário Europeu. Durão Barroso desistiu porque teve medo dos desvios colossais e foi proposto para Presidente da Comissão Europeia. Santana Lopes, tendo sido demitido por indecente e má figura (pudera! Se continuasse na senda de cortar sobreiros e comprar submarinos iria aumentar os famigerados desvios colossais) não teve direito a “andor”. Sócrates primou pela teimosia, e lá continuou agarrado ao poder, com discursos de esquerda e políticas efectivas de direita, enquanto deu jeito às sanguessugas financeiras, para, depois de cair no completo desencanto externo e interno, resolver ir estudar filosofia para França, agora que lhe tinham tirado o tapete. Talvez consiga finalmente perceber o que se passou.

Nenhum foi capaz de ter uma solução para enfrentar e resolver o nosso problema! Incompetência? Medo? Cobardia? Ou, talvez, outro factor de influência menos digno?

Passos Coelho prometeu que nunca se queixaria das heranças, nem as invocaria para justificar as suas opções políticas (16 de Junho), mas em menos de um mês já mudou de opinião e tudo passou a ser por culpa dos desvios colossais. Achou estúpido, desnecessário e sem sentido um corte no 13º mês (1 de Abril), anunciando-o no trimestre seguinte, por culpa dos desvios colossais. Talvez aspire e esteja a preparar a ida para um qualquer Alto Cargo Europeu (se não houver algum disponível, inventa-se) já que com esta política não vai longe.

O mal está nos excessos do capitalismo! Dizem uns. O problema é a ganância de alguns especuladores! Dizem outros. É a falta de regulação! Argumentam. É a carência de verdadeiros líderes! Lamentam-se. O sistema é bom, mas funciona mal! (…?!). E este coro de lamentadores não enxerga que o problema é político?! Nunca vi uma coisa que funciona mal poder considerar-se boa.

Está em moda o subterfúgio da comparação de quem está mal com quem está pior. Portugal compara-se com a Grécia, dizendo que a nossa situação “não tem nada a ver” com a dos gregos. Até Barack Obama já diz que o problema dos Estados Unidos “não tem nada a ver” com o problema português. Porém, no final de contas, o problema é o mesmo - a especulação financeira - a dimensão é que é outra. Faz-me lembrar a alimentada guerra estúpida entre o pobre e o miserável, em que o primeiro se sente consolado pelo facto do último estar em piores condições, sem ter a noção de que é para lá que também caminha.

Qualquer economista sabe que o aumento de dívida com o intuito de fazer face a juros piora a situação financeira do devedor. Sabe mas não lhe dá ênfase. Porquê?

A moda actual é vociferar contra as agências de notação financeira. Antes, Cavaco Silva dizia que tínhamos que ser muito cautelosos, não falar mal delas porque se poderiam voltar contra nós. Mudou de opinião em tão pouco tempo? Afinal o homem já se engana? Ou será que está com muitas dúvidas?

Quem pensar que essas agências se regem por princípios ideológicos ou morais, engana-se redondamente. Essas instituições sinistras só têm um Deus, o dinheiro, e prestam vassalagem a quem o possa obter por qualquer meio e a qualquer custo, os especuladores financeiros que dominam os mercados. Não é o cumprimento escrupuloso do famigerado acordo que acalma os tais “mercados”, mas a certeza da obtenção efectiva de reembolsos e lucros a curto prazo. São “eles” que o dizem de forma muito clara.

No mínimo, faltou a inteligência de perceber esta premissa. Prevaleceu a ideia de sacar mais dinheiro onde ele já não abunda, deixando de fora os que o obtêm, acumulam e detêm de forma imoral e especuladora.

Passos Coelho preferiu romper o seu programa eleitoral, mas saiu-lhe o tiro pela culatra, os mercados não acreditaram nessa medida e mostraram-lhe isso no dia seguinte. Teve medo de incomodar a clientela que ideológica e financeiramente o suporta. Desprezou quem o elegeu, ansiando por mudança e pensando que pior do que estava era impossível.

Mas como a política de Passos Coelho e Sócrates é a mesma e mais forte, eu cá digo que pior é mais provável que possível.



publicado por livrecomoovento às 19:31
link do post | comentar | favorito
|

Domingo, 10 de Julho de 2011
ESPERAR DEITADO!?

Uma nêspera
estava na cama
deitada
muito calada
a ver
o que acontecia

chegou a Velha
e disse
olha uma nêspera
e zás comeu-a

é o que acontece
às nêsperas
que ficam deitadas
caladas
a esperar
o que acontece

"Rifão Quotidiano" de
Mário-Henrique Leiria



publicado por livrecomoovento às 19:10
link do post | comentar | favorito
|

Segunda-feira, 4 de Julho de 2011
ESTADO DE GRAÇA

Ou o prenúncio da desgraça?

Das várias formas de Estado, umas de política governativa, outras de origem psicológica, vive-se, agora, com o novo governo, um chamado Estado de Graça. A novidade desta forma de governar suscita-me uma inevitável reflexão sobre o assunto e se o “E” tem direito a ser maiúsculo.

Fundamenta-se a sua origem no benefício da dúvida, na vontade propagada de fazer bem e melhor, na juventude dos elementos que o compõem e no pressuposto de que pior que o anterior será impossível.

Já conhecemos vários epítetos de Estado. Estado capitalista, Estado socialista, Estado providência, Estado social, o estado a que chegámos, entre outros. Agora, por paralelismo com o fiel acabado de se confessar, também, em política, podemos viver num estado de Graça que, neste caso, não se sabe bem se com Deus, se com o Diabo.

A graça deste estado a que a comunicação social guindou o actual Governo começou a desiludir com o prematuro dissabor do Primeiro-Ministro, derrotado na sua proposta de Fernando Nobre para Presidente da Assembleia da República. É certo que torneou bem a questão mantendo o seu compromisso com o dito, mas demonstrou falta de sentido de Estado e capacidade de antevisão política ao fazer esta proposta, factores imprescindíveis a um governante. Estas carências ficaram demonstradas pela falta de desprendimento pessoal e político do próprio implicado, por este não ter tido o discernimento de, atempadamente, desvincular Passos Coelho daquele compromisso e deste, por não ter assumido a sua responsabilidade de estadista, sobrepondo-a a meros compromissos pessoais, já que a nível partidário não era consensual.

Mas este “estado de graça” volta a desiludir ao tentar aplicar uma medida populista de redução de Ministros quando, na realidade o que se assiste é a um proliferar de Secretários de Estado. Ou seja, cria-se um Governo de Super-Ministros e entregam-se os Ministérios a Secretários de Estado, desconhecendo-se, ainda, os Secretários dos Secretários e as Secretárias destes e daqueles. Esperemos para ver até onde irá a reciclagem de “boys”.

Pelo meio dos corredores, temos ainda a telenovela de Bernardo Bairrão ex Administrador Delegado da “Media Capital” que se despediu de todos porque ia para Secretário de Estado e que, afinal, parece que vai ser desterrado. Motivo? É fácil de adivinhar. Tudo tem a ver com a privatização, ou não privatização da RTP e o coro dos protestadores em surdina que dominam os órgãos de comunicação social. É mais que evidente que os reis das privatizações não querem, neste momento, a privatização da RTP. Mais um concorrente que não se sabe quem vai dominar? NÃO!!! Decididamente NÃO!!! Veja-se a posição dissimulada e hipócrita de Paulo Portas sobre o assunto e facilmente se chega a esta conclusão. Aqui, ao contrário do caso Fernando Nobre, Passos Coelho recuou. Já não estava em causa o compromisso do seu convite, ou outros “valores” mais altos se levantaram? Este pode ser o princípio do fim do seu estado de graça.

Até os comentários do Marcelo começam a cair em desgraça: Primeiro foi a sua garantia e convicção absoluta na eleição de Fernando Nobre para Presidente da Assembleia da República que não se concretizou. Depois foi o seu pomposo anúncio de Bairrão para Secretário de Estado que também falhou.

A discrepância entre os objectivos, o discurso e a prática leva ao descrédito. Na realidade, este Governo tem quatro programas que irá pôr em prática consoante o interesse partidário do momento ou a pressão do interesse financeiro de quem ordena. Um programa claro e implícito, resultante do acordo firmado com a “troika” que todos conhecemos; um programa oculto, resultante das suas verdadeiras intenções que todos desconhecemos, mas que se sabe ir muito além do da “troika”; um programa explícito na sua aplicabilidade, mas semi-oculto nas suas consequências que vai sendo revelado ao sabor das circunstâncias; e um programa enganador, atraente na sua divulgação, mas sem propósito de aplicabilidade nas suas intenções, o programa da sua campanha eleitoral.

Passos Coelho substituiu o “de PEC em PEC” por “de PA (Programa de Austeridade) em PA”, como se não se tratasse do mesmo com outro nome. Lá se esfuma a promessa de não haver medidas a prestações como nos últimos anos, até porque já se vislumbra o próximo PA, com as indicações implícitas e explícitas da necessidade dum Orçamento Rectificativo (PA2/PEC6).

Com o aprofundar da crise, face à já mais que evidente recessão e consequente estagnação da economia que nos impedirá de fazer face aos nossos compromissos com o exterior, temo que este estado de graça do governo, rapidamente descambe para a profunda desgraça das pessoas.



publicado por livrecomoovento às 02:10
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Janeiro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


posts recentes

ESCOLARIDADE OBRIGATÓRIA

PLANO E ORÇAMENTO PARA 20...

O FAIAL E OS TRANSPORTES ...

O Milagre Económico

Os pontos nos iis

NÃO DEIXES QUE DECIDAM PO...

O MEDO E A CACICAGEM

Um político que de irrevo...

SEMANA DO MAR - Programas...

O CISCO A ENCOBRIR A TRAV...

arquivos

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Junho 2006

links
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds