Segunda-feira, 18 de Junho de 2012
OGM – Um perigo eminente para a Humanidade (II)

A Agricultura Biológica contrapõe-se aos OGM e ao mal que fazem, partindo do mesmo princípio dos comprovativos da nocividade de adubos e pesticidas químicos para a alimentação e a saúde humanas. Porém os interesses financeiros não se compadecem com a fuga ao controle de patentes comerciais e à possibilidade do conhecimento ser partilhado por todos, sem que os monopólios tirem lucro dum negócio que põe em perigo a saúde pública e o futuro da humanidade.

Após a crise petrolífera, a grande indústria agroalimentar viu na investigação genética a possibilidade de investimento exclusivo, pela sua tecnicidade e pela possibilidade de patentear os produtos. Aconteceu em 1982 ser, pela 1ª vez, patenteado um ser vivo: um rato transgénico com tendência para desenvolver cancros. Sucederam-se inúmeras outras patentes e inúmeros “acidentes”, com a ocultação de informação pelas empresas produtoras e financiamento de grupos de pressão e de instituições académicas e políticas.

Mas, afinal, que mal é que fazem os transgénicos?

Não se sabe muito, até porque são as próprias empresas que fazem ou encomendam a maioria da investigação e só divulgam o que querem. Mas as experiências científicas que lhe estão subjacentes, ao ultrapassarem as barreiras naturais das espécies – entre plantas e bactérias, fungos e animais, por exemplo – envolvem perigos novos. As consequências da engenharia genética são, por definição, imprevisíveis. Pelo que qualquer descuido pode ter graves consequências para a saúde das pessoas, para as sociedades humanas e para os ecossistemas. A falta de precaução é muito perigosa e, por vezes, um erro irreversível.

Os produtores de transgénicos procedem mal em “pôr o carro à frente dos bois”, forçando a produção de plantas e animais e a sua comercialização sem a prévia investigação científica extensiva e sem o prévio consenso científico sobre a inocuidade de cada um dos seus produtos. Instrumentalizam a confiança dos cidadãos na ciência, no progresso e na tecnologia, simplesmente para impingir os seus produtos sem nenhuma preocupação quanto às suas consequências.

Nos anos 70, os defensores da energia nuclear também diziam que pôr em causa o nuclear – o “átomo pacífico” como então diziam – era o mesmo que defender o retorno às cavernas. Mas está, hoje, cada vez mais claro que existem opções científicas e tecnologias de ponta alternativas à energia nuclear, que são seguras e suficientemente produtivas.

É mentira que os OGM tragam vantagens e benefícios e é criminoso esconder informação, viciar protocolos científicos ou dificultar a prevenção de riscos. Não está comprovado qualquer aumento de produtividade e estudos independentes mostram que não há transgénicos à venda que sejam mais produtivos do que as variedades convencionais de ponta; a soja transgénica chega a ter uma quebra de 9%.

É mentira que os OGM requerem menos uso de pesticidas e outros químicos, porque o que se verifica é o contrário, principalmente em explorações próximas que passam a ser atacadas por pragas e infestantes imunes.

Não passam de meros argumentos publicitários, de uma economia consumista, a introdução artificial de ómega 3, ácidos gordos essenciais e a redução de fósforo.

As empresas produtoras de OGM omitem, deliberadamente, informações e mentem aos cidadãos e às autoridades. As empresas de transgénicos já mostraram que não são de confiança. Os consumidores europeus precisam de uma produção agroindustrial sustentável, que crie emprego e riqueza para si, mas que seja respeitadora dos agricultores e da qualidade dos alimentos em todo o mundo, que proteja a paisagem, os recursos naturais e o ambiente. As empresas detentoras de patentes OGM disseminam plantas potencialmente perigosas, alegando hipocritamente um contributo para o combate à fome no mundo, quando se sabe que a fome deriva, antes de mais, da pobreza que aumenta a par dos aumentos dos lucros das empresas que os difundem.

A defesa dos transgénicos na Europa por referência ao preço dos alimentos manipulados pelas multinacionais do agronegócio é nociva para os europeus pois representa, além da globalização da ameaça genética, a submissão aos especuladores que no passado próximo se serviram da crise climática para promover os biocombustíveis; biocombustíveis que ajudaram a criar a crise alimentar que agora lhes serve de argumento para a venda das suas patentes sobre OGM e respetivos químicos, e para aumentar a pressão milionária para a autorização dos OGM pela Comissão Europeia. Além da pressão para o patenteamento de todas as sementes, tentando monopolizar o seu comércio e ilegalizar a troca, pelos agricultores, das sementes tradicionais.

Foi neste quadro que o PS fez aprovar, nos Açores, a possibilidade de haver campos de experimentação de OGM, cedendo aos interesses monopolistas instalados. Bem pode alguém, agora, exigir fiscalização que o mal, depois de feito, como já referi anteriormente, será irreversível.

 

(Publicado no jornal INCENTIVO de 18/06/2012)



publicado por livrecomoovento às 02:34
link do post | comentar | favorito
|

Segunda-feira, 4 de Junho de 2012
OGM – Um perigo eminente para a Humanidade

 De acordo com estudos científicos recentes e com conclusões apresentadas no último Congresso da FAO (Organização das Nações Unidas para e Agricultura e Alimentação), em 2007, a agricultura biológica, sendo bem aplicada, pode alimentar toda a população do Planeta. Por outro lado, não me restam dúvidas de que os OGM são uma forte ameaça ao desenvolvimento harmonioso da agricultura biológica, a agricultura mais sustentável e que mais respeita a vida em geral e a vida humana em particular.

O risco das plantas OGM pode ser ainda maior que o risco dos pesticidas, pois estes, terminado o seu uso, sofrem uma degradação mais ou menos prolongada (até 30 anos no caso do mais persistente – o DDT), e acabam por desaparecer. Já as variedades contaminadas com plantas OGM, vão reproduzir-se e multiplicar os genes contaminantes, sendo praticamente impossível travar contaminações levadas pelo vento ou por insetos.

As variedades transgénicas, com genes de micróbios, animais (ou até do homem como é o exemplo recente duma variedade americana de arroz com genes humanos) e com grande potencial de contaminação genética de outras variedades tradicionais ou melhoradas, com toxicidade aguda ou crónica sobre seres vivos e patenteadas por empresas poderosas que não olham a meios para atingir os fins, são uma ameaça à vida no Planeta tal como a conhecemos.

Os inconvenientes das culturas geneticamente modificadas e em particular do milho, para os Açores, são muito superiores a eventuais vantagens, pelo que é um erro de política agrícola de consequências incalculáveis, nomeadamente a interdição prática de criação de Zonas livres de OGM em regiões onde a cultura do milho é importante.

A legislação recentemente aprovada na Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores, sob proposta do Governo Regional, embora tenha como objetivo aparente enquadrar legalmente a nossa Região como Zona Livre de OGM, na prática pode inviabilizar essa criação, pois basta um só agricultor da região não concordar para que todos os outros e os órgãos autárquicos eleitos do concelho, já não a possam declarar como Zona Livre. Tudo isto porque a legislação aprovada abriu a brecha dos “campos experimentais”, cedendo à pressão dos interesses instalados, beneficiários da comercialização de cereais destinados à produção pecuária intensiva, sob a capa hipócrita de não se fechar a porta à investigação científica.

Com a introdução de variedades OGM, ao abrigo das medidas de segurança previstas na lei, a contaminação genética é inevitável. De acordo com o diretor da EuropaBio, a voz política da indústria de biotecnologia na Europa, a coexistência sem contaminação «é, francamente, inalcançável». A essa conclusão chegaram também, recentemente, os responsáveis franceses do Ambiente. A perda de variedades tradicionais de milho cultivadas nos Açores (principalmente variedades de milho branco) para produzir broa, o nosso pão de milho, será o delapidar dum património genético obtido e mantido ao longo dos séculos pelos agricultores.

A decisão do Governo Regional de “cavalgar” uma petição pública que pretendia declarar os Açores uma Zona Livre de OGM conseguiu, de forma habilidosa, defraudar este objetivo e ludibriar alguns incautos que não tiveram em conta a dimensão das consequências do logro em que caíram.

A qualquer momento se podem introduzir OGM, mas é irreversível a reconversão de terrenos geneticamente contaminados em explorações agrícolas biológicas, e este crime, ambiental e económico, terá que ser expiado por quem o cometeu, por mais fugas para a frente que tente encetar.

 

Publicado no jornal INCENTIVO (04/Junho/2012)



publicado por livrecomoovento às 09:10
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Janeiro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


posts recentes

ESCOLARIDADE OBRIGATÓRIA

PLANO E ORÇAMENTO PARA 20...

O FAIAL E OS TRANSPORTES ...

O Milagre Económico

Os pontos nos iis

NÃO DEIXES QUE DECIDAM PO...

O MEDO E A CACICAGEM

Um político que de irrevo...

SEMANA DO MAR - Programas...

O CISCO A ENCOBRIR A TRAV...

arquivos

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Junho 2006

links
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds