Segunda-feira, 25 de Março de 2013
AUSTERIDADE FOFINHA

Tive a oportunidade de tecer vários considerandos sobre as expetativas do desempenho deste Governo Regional, presidido pelo Dr. Vasco Cordeiro. Em dois artigos – “Novo Governo Vida Nova” e “Novo Governo Outra Política” – enderecei-lhe os meus cumprimentos e expressei a minha sincera esperança de que algo iria mudar para melhor, face à vontade de diálogo então propalada mas que, agora, na prática, se revela de muito deficiente concretização.

Ilusoriamente convencido atrevi-me mesmo a escrever: “…tenho fundada esperança que desta vez é que vai ser, tanto mais que a situação já se encontra de tal forma insuportável que terá de ser rapidamente resolvida. Peço-lhe, Sr. Presidente, ouça as pessoas - não só algumas pessoas - e, muito menos, só, aquelas com interesses pessoais...”.

Infelizmente, foi “sol de pouca dura” esta minha vã esperança. Afinal, o discurso não passou da promessa de boas intenções, como de “boas intenções” também não passou o rol enunciado ao longo das 203 páginas do seu Programa de Governo que culminou na “austeridade fofinha” proposta e estranhamente, ou não, viabilizada com a abstenção violenta (onde é que já ouvi isto?) do PSD.

Continuamos a ter um discurso inflamado contra a austeridade violenta da República a par dum paleio fofinho que amortece as malfeitorias da austeridade regional. Na prática, com Sócrates, Passos, César ou Vasco vamos ter a mesma política financeira, as mesmas opções económicas, os mesmos cortes no ensino, nos apoios sociais, na saúde e no trabalho.

Os contratos com grupos económicos e as parcerias público-privados que mais não fazem do que sugar os nossos recursos financeiros, permanecem intocáveis; mas os contratos de trabalho de quem contribui para a economia podem ser violados; os contratos com bolseiros de investigação, cujos resultados têm levado o nome Açores por toda a comunidade científica mundial, podem ser adulterados. Os apoios ao ensino privado continuam, mas, no público, despedem-se profissionais de ensino e aumenta-se o número de alunos por sala de aula.

Uma vez que o nível de desemprego nos Açores não pára de crescer, vamos começar a perceber, como já alguém disse por outras palavras, que a nossa necessidade de arranjar emprego está acima das nossas possibilidades e que, até, a nossa necessidade de comer também se encontra no mesmo patamar.

Não se criam condições concretas para contrariar a recessão, promovendo emprego através da requalificação e recuperação do edificado urbano; apenas se papagueiam boas intenções. No entanto, continuamos a esbanjar dinheiro em campanhas dirigidas a um turismo maciço que não nos procura e a apoiar projetos megalómanos, condenados ao fracasso, que só beneficiam as grandes empresas, enquanto os pequenos empreiteiros locais encerram a sua atividade e vão para o desemprego junto com os seus trabalhadores.

Sabemos que não é notícia o encerramento dum grupo de trabalho com cinco ou seis trabalhadores. Notícia é a ameaça de despedimento duma centena de trabalhadores numa empresa com outra dimensão. Esquecem-se, porém, que a junção das várias falências, em diversas ilhas, representa muito mais desemprego, mesmo não sendo notícia.

Destacados dirigentes do PS vociferam contra o roubo perpetrado nos subsídios de Férias e Natal, mas nada fizeram, nem fazem para repor esse dinheiro na dinamização da economia regional. Acusam o Governo PSD/CDS de cortar no direito à saúde, o que é verdade, mas praticam o mesmo genocídio, de forma fofinha nos Hospitais e Unidades de Saúde dos Açores.

Convocam reuniões, de que fazem grande alarido promocional, para discutir e recolher propostas e opiniões dos parceiros sociais e forças políticas, mas, afinal, as ditas servem apenas para informar do que já está a ser implementado, e mal implementado, segundo as opiniões desses mesmos parceiros. E chamam a isto, diálogo?! Faz-me lembrar o requentar da prática do Subsecretário das Pescas do anterior governo que falava com os pescadores, não para auscultar as suas opiniões, mas para lhes impor as suas decisões. Parece que o estilo “fez escola”.

O Governo Regional, em concorrência com Passos Coelho, até pretende refundar, ainda não o Estado, mas o conceito de “Orçamento de Base Zero” já que, em vez de orçamentar o financiamento real das necessidades, em substituição da atualização percentual, deturpa o seu princípio, reduzindo as necessidades a zero para que não seja necessária a sua dotação financeira.

Este Governo Regional não está a trilhar um bom caminho: critica violentamente a política económica e financeira da República que, na prática, aplica com palavras fofinhas nos Açores.

 

(Publicado no jornal INCENTIVO, 2012/03/25)



publicado por livrecomoovento às 02:22
link do post | comentar | favorito
|

Segunda-feira, 11 de Março de 2013
PREPOSIÇÕES E ARTIGOS

OU DE COMO A LÍNGUA PORTUGUESA É TRAIÇOEIRA

“Que Cavaco era um leitor atento e exigente já nós sabíamos desde que, para espanto da academia em geral e da academia sueca em particular, criticou os livros de Saramago por terem demasiadas vírgulas. Desta vez, o crítico desviou a sua atenção da pontuação para as preposições. Onde se lê um "de", deve ler-se um "da". Não é apenas a preposição "de" que deve estar na lei, é a contração da preposição "de" com o artigo definido "a". A mudança implica o seguinte: se um presidente "de" câmara não pode recandidatar-se depois de três mandatos, a sua carreira autárquica acaba; mas um presidente "da" câmara não pode recandidatar-se apenas à câmara específica a que preside. Pode recandidatar-se à do lado. Ou a outra qualquer. Há 23 letras no alfabeto, mas Cavaco indicou a única que podia beneficiar os dinossáurios autárquicos.” (Ricardo Araújo Pereira)

 

Entendeu Cavaco Silva que remeter-se à contenção de opiniões era a melhor forma de ajudar o governo a cumprir os seus objetivos. Compreende-se que o pretenso representante de todos os portugueses queira apadrinhar e proteger os seus sequazes políticos. Compreende-se, mas não é aceitável atendendo ao cargo para que foi eleito. Mas, mais inaceitável é ser abusivamente reincidente em atitudes extemporâneas – relembro a gravíssima comunicação ao País sobre o nosso Estatuto Autonómico – sempre numa postura de menorização dos respetivos visados. 

Pode parecer anedótico, não fora a gravidade do assunto, que a criatura interrompa a sua letargia para emitir um parecer que vem, principalmente, favorecer mais alguns dos seus correligionários. É vulgar o uso e abuso destes subterfúgios para absolver criminosos, ilibar corruptos e tornear os meandros da legislação concebida com a intenção de favorecer quem tenha mais poder financeiro. É só mais um aspeto da constante luta pelo poder que os mesmos, sempre os mesmos, os chamados “Donos de Portugal” permanentemente travam para manter o domínio financeiro e político do País.

É vulgar a expressão “a língua portuguesa é traiçoeira” quando, brincando com os múltiplos significantes duma palavra se distorce o sentido duma frase, atribuindo-lhe um significado diferente. Esta faculdade da língua portuguesa permite uma criação literária diversa e intelectualmente rica. Porém, como toda a evolução tecnológica, a linguística pode tornar-se perversa quando usada com deliberada má intenção.

Uma velha anedota refere um indivíduo que, deslocando-se de comboio entre o Porto e Lisboa, tentou entabular conversa com o passageiro a seu lado perguntando-lhe: “O senhor vai para Lisboa?”, a que o referido passageiro respondeu com altivez: “Eu não vou para Lisboa. Eu vou a Lisboa”. O primeiro indivíduo não gostou da resposta e ficou calado, alheando-se do parceiro de conversa. Este, para o rebaixar, pergunta-lhe então: “O senhor ficou pensativo?”, a que o primeiro respondeu: “Estava aqui a pensar se o mandava à fava ou para as urtigas”.

A intervenção de Cavaco Silva na interpretação da lei que regulamenta a recandidatura de presidentes de câmara é, em tudo, semelhante à tradicional anedota, pelo que fico indeciso se devo mandar aquela criatura à fava ou para o raio que o parta.

 

(Publicado no jornal INCENTIVO)



publicado por livrecomoovento às 01:50
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Janeiro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


posts recentes

ESCOLARIDADE OBRIGATÓRIA

PLANO E ORÇAMENTO PARA 20...

O FAIAL E OS TRANSPORTES ...

O Milagre Económico

Os pontos nos iis

NÃO DEIXES QUE DECIDAM PO...

O MEDO E A CACICAGEM

Um político que de irrevo...

SEMANA DO MAR - Programas...

O CISCO A ENCOBRIR A TRAV...

arquivos

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Junho 2006

links
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds