Domingo, 27 de Fevereiro de 2011
PRESTAÇÃO DE CONTAS

Terminado este período em que cumpri o mandato de deputado, em substituição do meu camarada José Cascalho, impõe-se um balanço do meu contributo para com o Grupo Parlamentar do BE/Açores na Assembleia Regional e os seus resultados, na Ilha onde nasci e resido, bem como junto das açorianas e açorianos que, com empenho, defendi e continuarei a defender.

Procurei, sem me distanciar dos princípios que me norteiam nem da ideologia política defendida pelo Bloco de Esquerda, lutar pelo que, em cada momento, entendemos ser o melhor para cada realidade, mas sempre na perspectiva de uma estratégia global para a Região.

Empenhei-me, com o apoio incondicional do Grupo Parlamentar do Bloco de Esquerda, em lutas específicas do Faial, mas sempre com o objectivo dum desenvolvimento sustentado para os Açores, repudiando bairrismos doentios.

Batalhei pela recuperação da casa onde nasceu Manuel de Arriaga, trazendo o assunto ao mais variado tipo de discussão e iniciativas, fora e dentro da Assembleia, como sempre deve ser. A maneira como se trata o passado e a história diz muito sobre as pessoas que têm a responsabilidade de a não esquecer e de aprender com ela. E, aqui, incluo a Câmara Municipal da Horta.

Levei a defesa da ampliação do Aeroporto da Horta à Assembleia da República para que ficasse registada a opção do Governo Regional nos requerimentos ao Ministro da tutela. Assim poder-se-á continuar esta luta com base em argumentos registados.

Protestei, de viva voz, pela inércia e cumplicidade do Governo Regional no processo de encerramento da fábrica da COFACO na Ilha do Faial que enviou dezenas de pessoas para uma precariedade mascarada com falsas alternativas de trabalho. O futuro dessas pessoas e a redução sistemática do tecido industrial faialense ficam também na responsabilidade do Governo Regional que nada fez para inverter esta situação.

Pronunciei-me contra a deslocalização de valências da Rádio Naval da Horta, situação prevista há mais de 20 anos, sem que, no passado ou agora, se criassem alternativas, neste ou noutro âmbito.

Denunciei a falta de vontade em apoiar projectos de reintegração de jovens em risco, como os “Veredas” e “Trilhos Saudáveis”, atendendo ao seu assinalável êxito. É o mais básico princípio para evitar situações que, posteriormente, todas as pessoas lamentam. No entanto, não quiseram saber.

Mas as minhas preocupações também foram mais alargadas, intervindo em situações relacionadas com outras Ilhas ou de âmbito comum à Região, como nas pescas: defendendo uma actividade digna, sustentada e rentável para quem nela trabalha; nos transportes: batalhando por um sistema menos custoso e com complementaridade entre os diversos tipos, de forma a satisfazer as necessidades da Região e a mobilidade das pessoas, opondo-me, ainda, e energicamente a plataformas logísticas e baldeamentos de mercadoria; na saúde: fazendo propostas de alteração aos diplomas apresentados, para que fossem mais eficazes na defesa do direito à Saúde e ao bem-estar dos cidadãos; na educação: envolvendo jovens com um Projecto de Resolução sobre o Centenário da República como forma de os motivar para a participação enquanto cidadãos, apoiando, ainda, a luta dos professores e a Escola Pública; em defesa do ambiente: denunciando crimes ambientais e confrontando o Governo com procedimentos discricionários.

Muito mais foi feito, sem visibilidade mediática. A comunicação social dá sempre prioridade aos chamados grandes, mesmo que os seus protestos não contribuam para nada significativo. No entanto, muito mais há para fazer.

O Faial fica com o que foi uma nova e diferente forma de estar. A constatação do que pode ser um representante, eleito por faialenses, que se preocupa menos em defender o Governo ou líderes partidários e mais em defender os interesses das pessoas, em vez de mais um deputado de um qualquer partido com as inconsequentes posições de sempre.

Eu escolhi, porque foi isso que aprendi, que, em sítios fechados fala-se para as janelas. Lá fora é que estão as pessoas com quem queremos falar, debater, aprender e trabalhar no dia-a-dia.

Saio com sentimentos contraditórios. De satisfação, porque afinal é possível mudar o estado em que as coisas estão (quando há vontade). De tristeza, porque muito do mais básico falta alterar para que as nossas vidas sejam melhoradas. E de pensar que tudo isso está nas nossas mãos, as que levam o voto à urna.



publicado por livrecomoovento às 15:31
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Janeiro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


posts recentes

ESCOLARIDADE OBRIGATÓRIA

PLANO E ORÇAMENTO PARA 20...

O FAIAL E OS TRANSPORTES ...

O Milagre Económico

Os pontos nos iis

NÃO DEIXES QUE DECIDAM PO...

O MEDO E A CACICAGEM

Um político que de irrevo...

SEMANA DO MAR - Programas...

O CISCO A ENCOBRIR A TRAV...

arquivos

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Junho 2006

links
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds