Sábado, 3 de Setembro de 2011
O síndrome Buzz Lightyear

Passos & Portas têm uma convicção: Portugal deve ser o Buzz Lightyear da Europa. Tal como o delicioso boneco de Toy Story, o Portugal de Passos & Portas tem um lema: “até ao infinito… e mais além!”

 

A Troika manda cortar 550 milhões na saúde? O Governo corta 810. A Troika manda cortar 195 milhões na educação? O Governo corta 510. Passos & Portas seguem e reforçam o caminho iniciado por Sócrates nos PEC’s: para “acalmar os mercados” nada melhor que os surpreender com boas prendas e por antecipação. Se os mercados salivavam por uma penalização do trabalho, o Governo dá-lhes uma “penalização +”; se os mercados exigiam a privatização da electricidade, o Governo dá-lhes electricidade, águas e televisão.

Passos & Portas têm uma convicção: Portugal deve ser o Buzz Lightyear da Europa. Tal como o delicioso boneco de Toy Story, o Portugal de Passos & Portas tem um lema: “até ao infinito… e mais além!”. Ou seja, o que Passos & Portas estabelecem como horizonte para o país é ir até ao infinito da humilhação dos pobres, obrigados a exibir os seus documentos de pobres nos guichets para o passe + ou obrigados a trabalhar de graça para receberem o rendimento social; é ir até ao infinito da liberalização das relações de trabalho, com despedimentos pagos pelos próprios trabalhadores; é ir até ao infinito do desinvestimento na saúde ou na educação, com encerramentos a eito, desqualificação dos serviços e fim da sua cobertura universal. Mas isso não satisfaz Passos & Portas. E é aí que entra o mais além. Não lhes chega o trabalho gratuito dos pobres, não lhes chega a liberalização dos despedimentos, não lhes chega a imputação às famílias dos custos da educação e da saúde. Para tudo há um adicional. Por isso Paulo Macedo não esconde uma pontinha de orgulho em reconhecer na televisão que os cortes na saúde lesarão o interesse público. E Álvaro Santos Pereira anuncia com entusiasmo e emoção que estes cortes que o Governo vai fazer são a forma de o Estado dar o exemplo.

Buzz Lightyear, que clamava com farronca “até ao infinito e mais além!”, tinha uma debilidade: não percebia que não passava de um boneco. Portas & Passos não têm sequer esse álibi: sabem que são ferramentas políticas de uma agenda social e económica mais funda. Mas a principal diferença é outra: o filme de Buzz Lightyear tem um happy end; o de Passos & Portas é uma tragédia.



publicado por livrecomoovento às 17:34
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Janeiro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


posts recentes

ESCOLARIDADE OBRIGATÓRIA

PLANO E ORÇAMENTO PARA 20...

O FAIAL E OS TRANSPORTES ...

O Milagre Económico

Os pontos nos iis

NÃO DEIXES QUE DECIDAM PO...

O MEDO E A CACICAGEM

Um político que de irrevo...

SEMANA DO MAR - Programas...

O CISCO A ENCOBRIR A TRAV...

arquivos

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Junho 2006

links
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds