Domingo, 30 de Outubro de 2011
O povo e os políticos

A contraposição entre “o povo” e “os políticos” é errada. Mais que nunca o que o nosso tempo exige é uma análise de classe da realidade social.

Espalhou-se por aí uma visão da sociedade que contrapõe o povo aos políticos. Nas redes sociais, nas conversas de transporte público, um pouco por toda a parte, a desgraça do povo é contraposta aos privilégios dos políticos. E essa contraposição termina invariavelmente na sentença de que é por causa dos políticos que o povo passa a provação que passa. Este senso comum merece três observações.

Primeira observação: sim, é verdade que o povo passa por uma provação inédita porque houve políticos que assim impuseram. Sim é verdade que é na política que está a responsabilidade das escolhas que nos conduziram aonde estamos. Mas houve dois lados nas escolhas, escolheu-se um caminho e recusou-se outro, houve uma maioria e uma minoria. Meter todos os políticos – os responsáveis pelos caminhos que nos levaram até aqui e os que a ele se opuseram em nome de alternativas que não foram escolhidas – não é só uma injustiça, é um branqueamento de quem não o merece.

Segunda observação: não confundamos condenação dos privilégios injustificados com desqualificação da política. Os privilégios injustificados são isso mesmo: privilégios e injustificados. Devem, por isso, ser extintos se forem privilégios e se forem injustificados. Tudo o mais é armadilha porque lhe subjaz uma estratégia, consciente ou não, de desqualificação da política que deixe o terreno livre para a mediocridade e que, mais que tudo, legitime a punição social generalizada. Como alguns têm lembrado, quanto mais os rendimentos de quem exerce cargos políticos for diminuído mais alento ganharão os que querem diminuir os salários e as pensões. Cair nessa armadilha só cai quem quer.

Terceira observação: a contraposição entre “o povo” e “os políticos” é errada. Mais que nunca o que o nosso tempo exige é uma análise de classe da realidade social. A contraposição que conta é entre os detentores do poder económico e os que de seu têm apenas a sua força de trabalho, braçal ou intelectual. “Os políticos” são apenas a voz do dono (ou a resistência a ela) dos donos de Portugal. E quanto mais se espalha a recriminação acrítica sobre a generalidade dos políticos, mais os donos de Portugal esfregam as mãos de contentes por não terem os holofotes da luta social a incidirem, como deviam, sobre eles.



publicado por livrecomoovento às 02:38
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Janeiro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


posts recentes

ESCOLARIDADE OBRIGATÓRIA

PLANO E ORÇAMENTO PARA 20...

O FAIAL E OS TRANSPORTES ...

O Milagre Económico

Os pontos nos iis

NÃO DEIXES QUE DECIDAM PO...

O MEDO E A CACICAGEM

Um político que de irrevo...

SEMANA DO MAR - Programas...

O CISCO A ENCOBRIR A TRAV...

arquivos

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Junho 2006

links
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds