Sábado, 24 de Dezembro de 2011
A transumância

Nos gráficos a que rezam e nas curvas que os enlevam, os liberais conseguem vislumbrar uma racionalidade segundo a qual os indivíduos, como o gado, estão condenados a um deslocamento sazonal para locais que oferecem melhores condições.

Até há pouco tempo, eram os verdadeiros finlandeses que nos acusavam de sermos madraços e preferirmos os subsídios ao trabalho. Durante algum tempo, foi de fora do país que nos veio a mensagem "ponham-se finos, deixem-se de mar e de sol e toca mas é a trabalhar, não pensem que vos vamos alimentar os vícios para sempre". Pelos vistos, esse tempo passou. Agora é o nosso próprio Governo que nos brinda com a advertência de que somos afinal uns acomodados na nossa "zona de conforto" e de que, jovens, professores, profissionais qualificados chegou o tempo de se porem ao caminho e irem à procura do sustento noutras paragens.

A rábula da emigração podia ser isso mesmo, uma rábula. Mas não é. É a expressão de uma visão do país e da vida. Na sua compreensão mecânica e sem alma da realidade, os liberais destinam às massas humanas um irrecusável princípio de transumância. Nos gráficos a que rezam e nas curvas que os enlevam, os liberais conseguem vislumbrar uma racionalidade segundo a qual os indivíduos, como o gado, estão condenados a um deslocamento sazonal para locais que oferecem melhores condições. Aliás, para os liberais os indivíduos são uns sortudos: enquanto os rebanhos se têm que deslocar duas e três vezes todos os anos, as pessoas só se deslocam uma ou duas vezes na vida. A essa pastorícia dos humanos, os liberais chamam "ajustamento espacial da mão-de-obra à disponibilidade do factor trabalho".

É pois uma convicção ideológica arreigada na transumância aquela que leva o primeiro-ministro a advogar a procura de trabalho pelos professores em Timor ou em Angola, reiterando o que um seu secretário de Estado instigou os jovens com qualificação superior a fazer. Fá-lo com o mesmo rigor frio e com o mesmo fundamento último com que o seu homólogo britânico preparou a evacuação dos seus compatriotas do nosso país quando (e não se...) a falência geral dos bancos se verificar. Com a pequena diferença de que um diz aos seus nacionais que regressem e o outro diz aos seus patrícios que vão à vida.

Para quem reduz a vida a peças que se movem em mapas e a retrata em curvas e em gráficos assépticos - uma vida sem pessoas, sem anseios nem angústias, feita apenas de massas humanas sem rostos nem vozes, guiadas por interesses estreitos - Passos Coelho não fez afinal mais do que falar verdade, afastando ilusões sobre as nossas possibilidades. A verdade, dizem-nos, é que este país não é para todos. A verdade, dizem-nos, é que não há dinheiro para pagar o que tem que ser pago a todos. Ao crescente exército de desempregados condenados a cá ficar, o Governo tira dinheiro ao subsídio que garante a sua subsistência. Aos jovens e profissionais qualificados, o Governo aponta a fronteira. Em ambos os casos o Governo estimula a transumância, convicto de que a fome e a necessidade, para os humanos como para o gado, hão-de guiá-los para novos prados verdejantes.

Na gestão do banco público, os nossos liberais mostram aliás como os humanos ganhariam em imitar o dinheiro na sua apetência pela transumância. Os professores resistem a convencer-se de que devem abandonar toda a vida que construíram aqui e construir outra noutras paragens? Vejam então as contas da Sucursal Financeira Exterior da Madeira da Caixa Geral de Depósitos - ei-las que migram subitamente para as Ilhas Caimão em fuga a essa coisa maldita que é pagar os impostos devidos por todos. Este desenraizamento do dinheiro encanta os nossos liberais.

Dinheiro que não paga impostos e pessoas que não exijam direitos que obriguem a essa cobrança, esses são os ideais dos nossos liberais. Pelo meio atravessa-se-lhes um país de que desistiram e nos sugerem que desistamos.



publicado por livrecomoovento às 16:58
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Janeiro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


posts recentes

ESCOLARIDADE OBRIGATÓRIA

PLANO E ORÇAMENTO PARA 20...

O FAIAL E OS TRANSPORTES ...

O Milagre Económico

Os pontos nos iis

NÃO DEIXES QUE DECIDAM PO...

O MEDO E A CACICAGEM

Um político que de irrevo...

SEMANA DO MAR - Programas...

O CISCO A ENCOBRIR A TRAV...

arquivos

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Junho 2006

links
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds