Segunda-feira, 9 de Abril de 2012
LAPSOS – A nova forma de mentir

Passos Coelho, antes de ser Primeiro-Ministro, dizia que nunca invocaria os erros do seu antecessor para justificar as medidas a tomar, que conhecia bem todos ‘dossiers’, que sabia bem o caminho que iria seguir, que não agravaria mais a carga fiscal, que iria desenvolver a economia e inverter a tendência crescente do desemprego.

Tudo mentira.

Já no governo, rasgou todas a suas promessas, esqueceu tudo o que sabia e as certezas são, agora, imprevistos. Invoca constantemente os erros do passado, como se a política do seu partido não fizesse parte desse mesmo passado. Critica as parcerias público-privado, como se elas não tivessem sido introduzidas em Portugal por Cavaco Silva e, mais tarde, reformuladas por Ferreira Leite. Diz, agora, que temos é que apostar na agricultura, aquela mesma agricultura que os governos de maioria PSD desbarataram na década de 1985/95.

Há, apenas, um único caso em que este governo de direita não culpa o passado: quando encobre e branqueia o escândalo BPN. Porquê? Simples. Porque dele faz parte o grosso da coluna cavaquista que mais tempo governou Portugal e que mais sonegou o erário público em proveito próprio.

O desemprego aumenta constantemente. A economia já não está estagnada, retrai cada vez mais e de forma assustadora. Diminui a capacidade financeira de quem vive do seu trabalho. Os custos com a saúde provocam a mortandade de reformados, pensionistas, doentes oncológicos e outros mais desfavorecidos. O acesso ao ensino, à semelhança do tempo de Salazar, será, brevemente, um privilégio para os filhos dos senhores ricos. A cultura tende a ser um luxo, apenas para alguns. O desporto, face à diminuição dos apoios, é, cada vez, mais elitista.

Mas este governo inovou, aproveitando de forma oportunista o novo acordo ortográfico, e à semelhança da sua prática à luz do da ‘troika’ – o tal que dá imenso jeito à sua política de direita – quis, também, ir mais longe do que a ortografia, entrando, assim, no campo semântico. A riqueza do nosso vocabulário permite ao governo, de forma abusiva, chamar lapso à mentira recorrente, exceção ao favorecimento escandaloso, imprevisto à omissão deliberada, temporário ao pretensamente definitivo.

Tudo isto para quê? E em nome de quem? Para satisfazer a ganância dos especuladores dos grupos financeiros e para prestar vassalagem aos coveiros da Europa?

Não terá chegado o momento deste Povo dizer que também cometeu um lapso, que se enganou, e que, verdadeiramente, o que quer é outro governo e outra política para o país?



publicado por livrecomoovento às 02:14
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Janeiro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


posts recentes

ESCOLARIDADE OBRIGATÓRIA

PLANO E ORÇAMENTO PARA 20...

O FAIAL E OS TRANSPORTES ...

O Milagre Económico

Os pontos nos iis

NÃO DEIXES QUE DECIDAM PO...

O MEDO E A CACICAGEM

Um político que de irrevo...

SEMANA DO MAR - Programas...

O CISCO A ENCOBRIR A TRAV...

arquivos

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Junho 2006

links
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds