Segunda-feira, 23 de Abril de 2012
FALTA CUMPRIR ABRIL


“Estamos a voltar ao antigamente, com coisas muito semelhantes. Ninguém pode viver à mercê da boa vontade dos outros. Surpreende-me a capacidade de mobilização para estes movimentos (de dito apoio social e solidário), mas não para discutir as leis e lutar pelos direitos das pessoas. Esta caridadezinha não é liberdade. Isso é capitalismo selvagem”.

Rita Blanco (artista)

 

É frequente ouvir-se a frase “Precisamos dum novo 25 de Abril”. Já se fazem inquéritos de rua e entrevistam-se figuras eminentes de vários quadrantes políticos, empresariais, universitários, culturais, sindicais e outros. As opiniões divergem…, mas há uma constatação comum: algo está mal.

A esperança nascida com o 25 de Abril de 1974, transcrita na nossa Constituição, apontava para mais justiça social e económica; igualdade de direitos no acesso à saúde, ao ensino e ao trabalho; liberdade de expressão e associação. Em teoria, tudo isto parece ser verdade, mas a realidade é bem diferente.

Os sucessivos governos não alteraram, e até criaram, as leis que protegem indecentemente os mais poderosos em detrimento dos mais desfavorecidos. O nosso sistema de saúde e o ensino encaminham-se para o retrocesso aos tempos do fascismo em que só os poderosos tinham acesso a saúde de qualidade e ao ensino superior. O direito ao trabalho é, cada vez mais, uma miragem e transforma-se, progressivamente, em obrigação de desemprego.

Podemos falar e protestar em liberdade, mas a máquina propagandista da inevitabilidade, na sua ânsia de pregar a necessidade do suicídio económico coletivo, está de tal forma montada que abafa e distorce deliberadamente os objetivos dos protestos e cria medo. Medo de represálias no acesso ao trabalho, medo de ser preterido na carreira profissional, medo de ser apontado como malandro. Quanto maior é o medo, menor é a esperança.

Há vinte anos, os nossos governantes venderam a nossa agricultura, comprometeram as nossas pescas e deixaram destruir a nossa, já de si débil, indústria. Decidiram gastar dinheiro em betão e alcatrão endividando o país com investimentos não reprodutivos. Agora dizem que nos endividámos porque vivemos acima das nossas possibilidades. A solução preconizada é voltar a empobrecer a classe média e tornar os pobres miseráveis.

Que dívida é esta? A quem devemos?

A dívida das famílias prende-se, essencialmente, com o crédito à habitação e com o crédito automóvel. São créditos domésticos, ou seja, dívidas contraídas junto da banca nacional. De igual modo, o crédito obtido pelas nossas empresas é também, quase na sua totalidade, junto da banca nacional. Então, a quem devem aqueles que estão a ser obrigados a pagar a dívida externa do país?

Enganaram-nos dizendo que foi pedida ajuda externa porque já não havia dinheiro para pagar ordenados, e continuam a insistir nessa mentira. Nada mais falso. O dinheiro faltou, sim, mas para pagar as dívidas que o governo contraiu em benefício da especulação financeira. Porém, o ‘elo mais fraco’ é que serviu de bode expiatório e arcou com as consequências.

Enquanto houver pessoas a sobreviver de caridadezinha, à mercê da boa vontade dos outros; enquanto alguém tiver que lutar por direitos em vez de os exercer; enquanto houver medo e faltar a esperança, não é necessário um novo 25 de Abril, o que falta é cumprir Abril.

 

Publicado em Jornal Incentivo



publicado por livrecomoovento às 00:15
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Janeiro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


posts recentes

ESCOLARIDADE OBRIGATÓRIA

PLANO E ORÇAMENTO PARA 20...

O FAIAL E OS TRANSPORTES ...

O Milagre Económico

Os pontos nos iis

NÃO DEIXES QUE DECIDAM PO...

O MEDO E A CACICAGEM

Um político que de irrevo...

SEMANA DO MAR - Programas...

O CISCO A ENCOBRIR A TRAV...

arquivos

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Junho 2006

links
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds