Segunda-feira, 17 de Dezembro de 2012
COMO DESTRIUR UM PAÍS

Em Novembro do ano passado escrevi um artigo que começava assim:

A 3ª GUERRA MUNDIAL

O Mundo está em guerra. É a 3ª Guerra Mundial; não nos moldes tradicionais, não com metralhadoras, granadas e canhões, corvetas e submarinos, aviões e helicópteros; nem sequer com armas químicas, a bomba atómica ou outras de destruição massiva. Não, não se trata duma guerra convencional, trata-se duma guerra em que todo o material bélico se resume num único substantivo: DINHEIRO. É uma guerra onde a causa (o dinheiro, ou a sua falta) se confunde com os meios bélicos utilizados (mercados: dinheiro; especulação financeira: dinheiro; aumento de juros: dinheiro; aumento de impostos: dinheiro; …: dinheiro).”

Uma guerra tem como objetivo subjugar alguém à vontade ou interesse de outrem e, nesta guerra que estamos a travar, sem que muitos de nós tenha consciência dela, o dinheiro confunde-se entre arma e finalidade.

Começam pela alteração dos valores, da política e dos meios de vida duma sociedade, incutindo a substituição da luta pela qualidade de vida e do bem-estar social pela ganância egoísta de ganhar dinheiro a qualquer custo; a democracia dos povos pela ditadura dos mercados; a educação, a saúde e o direito ao trabalho pela especulação bolsista, as companhias de seguros e o poder dos bancos. Pretendem, com esta inversão paradigmática, no mais curto espaço de tempo, conquistar todos os bens essenciais e fontes económicas do país.

Esta é a logística que proporciona os meios e custeia todas as despesas, a expensas das próprias vítimas, e está alicerçada na tática de dominar todos os bens de produção e sectores da economia, sabotando-a e subjugando-a ao poder político corrupto e à especulação financeira. Para isso, tratam de mentalizar as pessoas para a inevitabilidade de pagarem cada vez mais e ganharem cada vez menos.

Aproveitar a vaidade e a inveja das pessoas, enaltecendo o despesismo e fomentando os pedidos de empréstimos aos bancos faz parte do seu estratagema de guerra psicológica. Políticos, jornalistas, economistas, comentadores e realizadores constituem o exército que através dos órgãos de comunicação social, sondagens de opinião e agências de “rating” intoxicam e formatam, diariamente, a mentalidade menos avisada.

Evitam falar em despedimentos e fome; aumento de impostos; baixa de ordenados e pensões; dívidas; incumprimentos, mentiras e falsas declarações de governantes; vencimentos criminosos de gestores públicos; importações desnecessárias de bens de luxo; produtividade; agricultura; pecuária; pescas; indústria; corrupção; justiça. Preferem discutir futebol; figuras públicas da “socialite”; modelos e desfiles de moda; pequena criminalidade; controvérsias; mesas redondas; programas de culinária; telenovelas e concursos da TV. Publicitam incessantemente cotações da bolsa, lucros bancários; fazem a apologia de políticos neoliberais; presidentes de bancos; vida e obra dos mais ricos; sucesso de futebolistas; maravilhas da liberdade dos mercados.

Desviando as atenções da discussão para o supérfluo, enquanto vaticinam o principal como inevitável, conseguem, deste modo, obter o domínio político, financeiro e dos meios de produção à custa das próprias vítimas. É um plano estratégico sórdido e perverso, mas que infelizmente está a resultar.

Para além desta pérfida logística, esta maléfica engrenagem ainda obtém outras receitas criminosas a partir dos negócios mundiais da droga e da venda de armas, do apoio ao mundo do crime, da venda de influências e dos juros dos empréstimos agiotas sobre a dívida soberana dos países sob ataque.

A estratégia de conquista passa, como já referi, por se apossarem das fontes de produção e do capital financeiro; privatizar as empresas estruturais e fornecedoras de bens únicos de forma a controlar a energia, os combustíveis, transportes e comunicações, ao mesmo tempo que especulam os juros de empréstimos e estrangulam as pequenas e micro empresas; destruir toda a economia do sector primário – agricultura, pecuária e pescas – desmantelando, assim, toda a indústria subjacente; obrigar a empréstimos bancários das empresas e particulares e ao endividamento do Estado para ocorrer às situações de estagnação económica e desemprego daí decorrentes.

Finalmente, fomentar a guerra entre pobres e miseráveis, velhos e novos, empregados e desempregados, trabalhadores do sector público e do privado é a cereja sobre o bolo que irão repartir no festim que comemore a subjugação do país a este sórdido estratagema.

E, ainda, há quem dê o benefício da dúvida e espere que a nossa situação melhore antes das eleições autárquica do próximo ano!?

 

(Publicado no jornal INCENTIVO, 17/12/2012)



publicado por livrecomoovento às 20:44
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Janeiro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


posts recentes

ESCOLARIDADE OBRIGATÓRIA

PLANO E ORÇAMENTO PARA 20...

O FAIAL E OS TRANSPORTES ...

O Milagre Económico

Os pontos nos iis

NÃO DEIXES QUE DECIDAM PO...

O MEDO E A CACICAGEM

Um político que de irrevo...

SEMANA DO MAR - Programas...

O CISCO A ENCOBRIR A TRAV...

arquivos

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Junho 2006

links
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds