Segunda-feira, 31 de Dezembro de 2012
BALANÇO FUTURISTA

Neste último artigo que escrevo em 2012, impõe-se um balanço do que nos aconteceu - o pouco de bom e o demasiado de mau - durante o ano que hoje finda.

Para além de nos terem tirado a esperança no futuro, com promessas que não se cumprem e propósitos que não se revelam, a ideologia de direita instalada no poder quis convencer-nos que os direitos conquistados são mordomias e que a maioria dos portugueses, sem qualquer usufruto palpável, passa o tempo a viver acima das suas possibilidades.

As reformas passaram a ser consideradas um luxo e o que temos que fazer é descontar e trabalhar até morrer para que alguns possam viver desafogadamente do fruto dos nossos impostos, sem descontar nem trabalhar. Basta-lhes investir nos mercados e exigir o retorno de altos juros, enquanto quem trabalhou e descontou sofre os cortes que permitem satisfazer os desígnios dessa agiotagem, e quem já não consegue trabalho subjuga-se aos apoios sociais, a que tem direito, mas que paradoxalmente promovem a exclusão social em vez de facilitarem o seu acesso e direito ao trabalho.

Mandaram-nos emigrar, depois de estarmos preparados com conhecimentos que permitiam iniciar uma retoma económica competitiva, pois sabem que falta o capital necessário que certa casta de corruptos se encarregou de transferir para os chamados “paraísos fiscais” em vez de o aplicar em investimentos reprodutivos e geradores de postos de trabalho.

Desviaram a atenção do problema da falta de investimento para a flexibilização das leis laborais como se os rendimentos do trabalho constituíssem a principal causa da incompetência e servilidade de quem, governando-se, nos tem governado, quando sabem que os custos da energia, comunicações, transportes e, sobretudo, os juros dos empréstimos são os que mais oneram uma empresa. Sabem, também, que a diminuição da disponibilidade financeira das famílias resulta na progressiva estagnação económica do País, porque quem não tem dinheiro não tem poder de compra. Sabem, ainda, que quanto menor for a massa salarial, menor serão as contribuições para a Segurança Social e a arrecadação de impostos para o Estado.

Não satisfeito, mas exultante com os resultados obtidos na venda de Portugal ao desbarato, este governo de direita, colocando a cereja sobre o bolo, aconselha veementemente os portugueses a terem cuidado com a sua saúde, não para que vivam melhor, mas para que não gastem tanto dinheiro ao erário público, como se não tivéssemos sido nós a contribuir para esse erário e sentíssemos um prazer imenso em adoecer.

Por toda esta perversidade, não nos roubaram só os rendimentos, roubaram-nos, acima de tudo, a alegria de viver, a honra de trabalhar por uma retribuição justa e a esperança no futuro. Assim, 2012 será certamente, parafraseando um dito popular, um ano “para esquecer”. Eu diria, antes, para lembrar como o pior ano da história da democracia portuguesa graças à velha aspiração da direita de ter “um presidente, um governo e uma maioria parlamentar”. Eis o resultado prático e imediato dessa aspiração da direita.

Falemos, então, do futuro. E, se foi com mágoa que falei deste passado, é com muito receio que falo desse futuro, porque o descaramento com que a direita dá o dito por não dito, é o mesmo descaramento com que nos continua a mentir com enganadoras esperanças, enquanto prossegue com o seu plano perverso e devastador de nos levar à total subserviência e dependência do exterior.

Alienados que estão os anéis, chegou a altura de nos arrancarem os dedos ou provocarem a sua rigidez por inércia. A opção será, seguramente, provocar a sua rigidez através do adormecimento insinuante, a mentira velada e a instituição do medo. É uma tática que tem resultado e nos conduziu paulatinamente à situação atual.

Com o tecido empresarial das pequenas e microempresas depauperado, e sendo este o principal motor da nossa economia e o maior gerador de emprego, está posta em causa a regular arrecadação de contribuições para a Segurança Social que assegure as nossas reformas e as prestações sociais a desempregados e pessoas mais carenciadas, bem como a arrecadação de impostos que permita a autonomia financeira do Estado e disponibilidade para o imprescindível investimento público.

Já se assiste, mas irá aumentar o apoio de avós aos netos cujos filhos perderam essa capacidade, por baixa de rendimentos e desemprego. Chegar-nos-ão, diariamente, notícias sobre população estudantil que abandona o ensino por dificuldades económicas. Uns emigrarão, outros irão engrossar o exército dos desempregados não registados.

Continuarão a aumentar as consultas psiquiátricas e os suicídios. Crescerá o descontentamento e a contestação, mas o desalento e o medo impedem a concretização contestatária, o que permitirá a persecução do plano maquiavélico da direita. Se bem que “mais vale tarde do que nunca”, neste caso, e para que não seja demasiado tarde, “antes que o mal cresça, corte-se-lhe a cabeça”.

Urge, então, a queda imediata deste governo mentiroso e gatuno. É este o meu maior desejo para que 2013 possa ser melhor que 2012.

(Publicado no jornal INCENTIVO de 31/12/2012)



publicado por livrecomoovento às 01:02
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Janeiro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


posts recentes

ESCOLARIDADE OBRIGATÓRIA

PLANO E ORÇAMENTO PARA 20...

O FAIAL E OS TRANSPORTES ...

O Milagre Económico

Os pontos nos iis

NÃO DEIXES QUE DECIDAM PO...

O MEDO E A CACICAGEM

Um político que de irrevo...

SEMANA DO MAR - Programas...

O CISCO A ENCOBRIR A TRAV...

arquivos

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Junho 2006

links
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds