Domingo, 27 de Janeiro de 2013
O MERCADO DAS ILUSÕES E A REALIDADE EM QUE VIVEMOS

O governo da República e os seus parceiros da especulação financeira montaram uma operação cosmética de pura propaganda para presentear o clã dos “bons rapazes” a soldo dos mercados financeiros, num momento em que a evidência do rotundo falhanço da política de direita se revela avassaladora.

Quando todos os indicadores económicos revelam o seu agravamento em espiral recessiva; a dívida que já era astronómica aumentou; o PIB continua a afundar-se; o défice só ficou nos 5% devido à receita extraordinária da venda da ANA e aos cortes nos salários e pensões; o consumo atingiu mínimos históricos; e, até as exportações – a joia de que se vangloriava este governo – têm tendência para estagnar, o que poderá ter contribuído para esta encenação?

Com a credibilidade abaixo de zero e uma competência tecnocrata cada vez mais duvidosa e discutível havia a necessidade urgente e inadiável de apresentar uma medida que permitisse um fôlego a este governo. Não podemos esquecer que estamos em ano de eleições autárquicas e há muitos interesses obscuros a preservar nas hostes laranja. A onda de protestos vinda de barões do próprio PSD e o sentimento de revolta das populações do interior que se sentem desprezadas necessitavam de ter um paliativo.

Aproveitando a conjuntura favorável fomentada pelas medidas criadas “in extremis” pelo BCE para travar a crise do euro - com destaque para o programa de compra de dívida – apaziguaram os especuladores, garantindo-lhes que nenhum país cairá porque, em último recurso, o próprio BCE o financiará, o governo ensaiou uma extemporânea “ida aos mercados” porque sabia, de antemão, que a procura seria coroada de êxito.

Embalado por este “balão de oxigénio”, Passos Coelho desenvolveu no seu imaginário um ciclo de expansão económica apoiado no pedido de alargamento dos prazos do pagamento dos empréstimos que Gaspar protagonizara junto do Eurogrupo já com o propósito desta ação de cosmética mercantil, e encomenda aos seus “grilos falantes” - os mesmos que vomitavam veneno quando gente de bom senso exigia negociações com os nossos credores – a propaganda convicta desta boa nova.

O essencial volta a ficar ignorado: como é que vamos pagar este aumento de dívida se a economia está em progressiva recessão, as falências proliferam e o desemprego não para de crescer?

Como é que vamos gerar recursos que nos permitam sobreviver e equilibrar a nossa balança de pagamentos quando não existe investimento, os cortes salariais têm um efeito negativo na arrecadação de impostos e a diminuição de contribuições para a Segurança Social põe em perigo a sua sustentabilidade e a capacidade de ocorrer às situações de doença, às calamidades sociais e ao pagamento de pensões de reforma?

Para mim, esta ida aos mercados não passou dum embuste que apenas garante o pagamento de juros aos especuladores e mantem a ilusão de quem ainda dá o benefício da dúvida a esta política destruidora. Na prática, o aumento da dívida só nos empurra para um segundo resgate a breve trecho.

Foi neste enquadramento que decorreu o XV Congresso do PS-Açores e aguardámos, com alguma ansiedade, os discursos finais do Secretário-Geral do PS, António Seguro, e do Presidente do PS-Açores e do Governo Regional, Vasco Cordeiro, uma vez que tínhamos apreciado as intervenções iniciais de António Costa, presumível concorrente de António Seguro e Berto Messias, líder parlamentar do PS-Açores.

Para o mais incauto militante, enlevado pelo ambiente partidário, António Seguro poderá parecer “de alma e coração” com a política que o PS-Açores diz pretender implementar, mas as grandes diferenças residem nos pormenores. O seu discurso foi o mais vago possível, virado para as personalidades, num constante lamentar da não implementação das suas propostas pelo atual governo.

Elogiou a escolha do governo dos Açores pelo seu enfoque no mar de forma circunstancial, sem nada preconizar num assunto que é mais amplo, extravasa a Região e é crucial para o País. Definiu as suas prioridades de forma não coincidente com a política económica e social que Vasco Cordeiro anunciou.

Na sua ordem de prioridades vem, em primeiro lugar, a captação do investimento externo, sem dizer em quê, depois as exportações e as relações comerciais com países terceiros, tendo destacado os países da América do Sul e a China e só em último lugar refere a dinamização da economia como forma de ultrapassar a crise. São nestes pormenores que residem as grandes diferenças e consequentes incompatibilidades.

Vasco Cordeiro focou o seu discurso nas pessoas e colocou em primeiro lugar a dinamização dos sectores primários e o apoio ao investimento das pequenas empresas, sublinhou a intenção do reforço dos apoios sociais e o empenhamento na resolução dos problemas do nosso Serviço Regional de Saúde. Prometeu abertura e verdade. Pediu a colaboração de todos os sectores sociais e políticos da Região.

Aguardamos a concretização destas intenções, a implementação de medidas urgentes a curto prazo, de eficácia imediata, que travem o crescimento do desemprego e invertam a tendência recessiva da nossa economia. Esperamos que não se refugie nos malefícios que o governo de direita nos impõe para justificar qualquer insucesso, e apresente propostas de esquerda que representem uma clara alternativa à austeridade que nos foi imposta, travando, assim, nos Açores, o desígnio do “ajuste de contas” que as forças obscuras dum passado retrógrado teima em prosseguir.

Publicado no jornal INCENTIVO



publicado por livrecomoovento às 22:12
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Janeiro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


posts recentes

ESCOLARIDADE OBRIGATÓRIA

PLANO E ORÇAMENTO PARA 20...

O FAIAL E OS TRANSPORTES ...

O Milagre Económico

Os pontos nos iis

NÃO DEIXES QUE DECIDAM PO...

O MEDO E A CACICAGEM

Um político que de irrevo...

SEMANA DO MAR - Programas...

O CISCO A ENCOBRIR A TRAV...

arquivos

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Junho 2006

links
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds