Terça-feira, 26 de Fevereiro de 2013
OLÁ MIGUEL!

VIESTE HOJE ÀS AULAS?

"Admito que a revolução seja uma utopia, mas no meu dia a dia procuro comportar-me como se ela fosse tangível. Continuo a pensar que devemos lutar onde exista opressão, seja a que nível for" (Zeca Afonso)

Pode parecer descontextualizado o título deste meu artigo e a citação do Zeca, mas vou tentar transmitir o que me levou a, simultaneamente, escrever sobre um atentado ecológico e a pureza cristalina, sabendo, à priori, da impossibilidade de misturar um derramamento de petróleo bruto com a transparência deslumbrante da água.

No dia 23 de fevereiro perfizeram-se 26 anos sobre a morte do autor de “Grândola Vila Morena”. Magoadas, desiludidas e revoltadas pelo beco a que a direita, que Zeca tanto combateu, tem conduzido Portugal, as pessoas cantam a senha, abraçada pelos militares do 25 de Abril, nos atos públicos em que participe algum membro do governo, com destaque, compreensível, para a presença do cada vez mais odiado Miguel Relvas.

Zeca foi um homem íntegro, coerente com os seus ideais, amigo capaz de fazer um concerto com a finalidade de angariar fundos para pagar em tribunal a defesa de quem precisasse do seu auxílio. Poeta, músico e sonhador, dedicou a sua vida à causa da luta contra a opressão e o obscurantismo. Foi preso e espancado por defender a liberdade com música e poesia. É com toda a propriedade um ícone do 25 de Abril que faz qualquer estudante, mesmo o menos sensível, se sentir emocionado.

Não se admire, pois, quem assistir às vaiadas estudantis, e não só, a outro ícone, o “grilo falante” da mentira, do cinismo e da hipocrisia, o “testa de ferro” da corrupção e do favorecimento. Indigna-se qualquer estudante da Universidade pública que queima pestanas, passa noites em claro e sofre de ataques de ansiedade só de pensar que o resultado do seu exame pode ditar um futuro a perder quando se confronta com “canudos” comprados numa qualquer privada em que o maior mérito exigido para ser licenciado é ter quem lhe pague o diploma.

Nada que esteja em contradição com a política deste governo de direita, diga-se em abono da verdade. Para chegar ao poder mentiu “a torto e a direito”, garantindo que conhecia todos os “dossiers”; que nunca desculparia a sua incompetência com desconhecimento de causa; que jamais cairia na estupidez de retirar o Subsídio de Natal aos portugueses; que era impensável sobrecarregar os trabalhadores com mais impostos; que …

Não se admire, portanto, quem ouvir um estudante dizer: “Vai estudar, oh Relvas!”. Os jovens, como disse o Zeca, em 1984, “estão à mercê dum sistema que não conta com eles, mas que, hipocritamente, fala deles… O sistema oprime-os criando-lhes uma aparência de liberdade”. Não é, então, de estranhar a pergunta insistente dum estudante: “Olá Miguel! Vieste hoje às aulas?” 

O Zeca lutou pela liberdade de expressão, pelo direito à justiça; o que Relvas quer é libertinagem de discurso e a imposição unilateral de ideias. Relvas é um psicopata natural, tenta transmitir uma sensação de omnipotência - característica destes indivíduos com traços psicopáticos que consideram tudo lhes ser permitido - agindo somente em benefício próprio e dos seus mandantes sem olhar a meios para alcançar os seus fins. Apesar de por vezes ter a plena consciência das suas intenções – quando disse que dormia mal com os números do desemprego – Relvas não sente culpa. Um psicopata raramente aprende com os seus erros.

Como alguém definiu, “a característica do psicopata é não demonstrar remorso algum, nem vergonha, quando elabora uma situação que ao resto dos mortais causaria espanto. Quando é demonstrado o seu embuste, não se embaraça; simplesmente muda a sua história ou distorce os fatos para que se encaixem de novo”. Foi o que fez Relvas - e seus sequazes - vitimando-se por não ter tido condições para falar no ISCTE, como se não tivesse toda uma panóplia de meios de comunicação social a soldo, secundada por uma chusma de comentadores de encomenda que lhe proporcionam todo o tempo de antena que quiser.

O que aconteceu no ISCTE não foi um ataque à liberdade de expressão, foi um ponto alto na liberdade de expressão, e dá vontade de dizer que afinal a universidade ainda põe estudantes a pensar e a participar no debate político. Cada um luta com as armas que tem e, como dizia o Zeca, “… a única atitude é aquela que nós tivemos, refiro-me à minha geração, de recusa frontal… inteligente, se possível, até, pela insubordinação, se possível, até, pela subversão do modelo de sociedade que lhes está a ser oferecido...”.



publicado por livrecomoovento às 02:11
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Janeiro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


posts recentes

ESCOLARIDADE OBRIGATÓRIA

PLANO E ORÇAMENTO PARA 20...

O FAIAL E OS TRANSPORTES ...

O Milagre Económico

Os pontos nos iis

NÃO DEIXES QUE DECIDAM PO...

O MEDO E A CACICAGEM

Um político que de irrevo...

SEMANA DO MAR - Programas...

O CISCO A ENCOBRIR A TRAV...

arquivos

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Junho 2006

links
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds