Segunda-feira, 25 de Março de 2013
AUSTERIDADE FOFINHA

Tive a oportunidade de tecer vários considerandos sobre as expetativas do desempenho deste Governo Regional, presidido pelo Dr. Vasco Cordeiro. Em dois artigos – “Novo Governo Vida Nova” e “Novo Governo Outra Política” – enderecei-lhe os meus cumprimentos e expressei a minha sincera esperança de que algo iria mudar para melhor, face à vontade de diálogo então propalada mas que, agora, na prática, se revela de muito deficiente concretização.

Ilusoriamente convencido atrevi-me mesmo a escrever: “…tenho fundada esperança que desta vez é que vai ser, tanto mais que a situação já se encontra de tal forma insuportável que terá de ser rapidamente resolvida. Peço-lhe, Sr. Presidente, ouça as pessoas - não só algumas pessoas - e, muito menos, só, aquelas com interesses pessoais...”.

Infelizmente, foi “sol de pouca dura” esta minha vã esperança. Afinal, o discurso não passou da promessa de boas intenções, como de “boas intenções” também não passou o rol enunciado ao longo das 203 páginas do seu Programa de Governo que culminou na “austeridade fofinha” proposta e estranhamente, ou não, viabilizada com a abstenção violenta (onde é que já ouvi isto?) do PSD.

Continuamos a ter um discurso inflamado contra a austeridade violenta da República a par dum paleio fofinho que amortece as malfeitorias da austeridade regional. Na prática, com Sócrates, Passos, César ou Vasco vamos ter a mesma política financeira, as mesmas opções económicas, os mesmos cortes no ensino, nos apoios sociais, na saúde e no trabalho.

Os contratos com grupos económicos e as parcerias público-privados que mais não fazem do que sugar os nossos recursos financeiros, permanecem intocáveis; mas os contratos de trabalho de quem contribui para a economia podem ser violados; os contratos com bolseiros de investigação, cujos resultados têm levado o nome Açores por toda a comunidade científica mundial, podem ser adulterados. Os apoios ao ensino privado continuam, mas, no público, despedem-se profissionais de ensino e aumenta-se o número de alunos por sala de aula.

Uma vez que o nível de desemprego nos Açores não pára de crescer, vamos começar a perceber, como já alguém disse por outras palavras, que a nossa necessidade de arranjar emprego está acima das nossas possibilidades e que, até, a nossa necessidade de comer também se encontra no mesmo patamar.

Não se criam condições concretas para contrariar a recessão, promovendo emprego através da requalificação e recuperação do edificado urbano; apenas se papagueiam boas intenções. No entanto, continuamos a esbanjar dinheiro em campanhas dirigidas a um turismo maciço que não nos procura e a apoiar projetos megalómanos, condenados ao fracasso, que só beneficiam as grandes empresas, enquanto os pequenos empreiteiros locais encerram a sua atividade e vão para o desemprego junto com os seus trabalhadores.

Sabemos que não é notícia o encerramento dum grupo de trabalho com cinco ou seis trabalhadores. Notícia é a ameaça de despedimento duma centena de trabalhadores numa empresa com outra dimensão. Esquecem-se, porém, que a junção das várias falências, em diversas ilhas, representa muito mais desemprego, mesmo não sendo notícia.

Destacados dirigentes do PS vociferam contra o roubo perpetrado nos subsídios de Férias e Natal, mas nada fizeram, nem fazem para repor esse dinheiro na dinamização da economia regional. Acusam o Governo PSD/CDS de cortar no direito à saúde, o que é verdade, mas praticam o mesmo genocídio, de forma fofinha nos Hospitais e Unidades de Saúde dos Açores.

Convocam reuniões, de que fazem grande alarido promocional, para discutir e recolher propostas e opiniões dos parceiros sociais e forças políticas, mas, afinal, as ditas servem apenas para informar do que já está a ser implementado, e mal implementado, segundo as opiniões desses mesmos parceiros. E chamam a isto, diálogo?! Faz-me lembrar o requentar da prática do Subsecretário das Pescas do anterior governo que falava com os pescadores, não para auscultar as suas opiniões, mas para lhes impor as suas decisões. Parece que o estilo “fez escola”.

O Governo Regional, em concorrência com Passos Coelho, até pretende refundar, ainda não o Estado, mas o conceito de “Orçamento de Base Zero” já que, em vez de orçamentar o financiamento real das necessidades, em substituição da atualização percentual, deturpa o seu princípio, reduzindo as necessidades a zero para que não seja necessária a sua dotação financeira.

Este Governo Regional não está a trilhar um bom caminho: critica violentamente a política económica e financeira da República que, na prática, aplica com palavras fofinhas nos Açores.

 

(Publicado no jornal INCENTIVO, 2012/03/25)



publicado por livrecomoovento às 02:22
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Janeiro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


posts recentes

ESCOLARIDADE OBRIGATÓRIA

PLANO E ORÇAMENTO PARA 20...

O FAIAL E OS TRANSPORTES ...

O Milagre Económico

Os pontos nos iis

NÃO DEIXES QUE DECIDAM PO...

O MEDO E A CACICAGEM

Um político que de irrevo...

SEMANA DO MAR - Programas...

O CISCO A ENCOBRIR A TRAV...

arquivos

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Junho 2006

links
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds