Sexta-feira, 13 de Setembro de 2013
O MEDO E A CACICAGEM

 

“Se as pessoas são boas só por temerem o castigo e almejarem uma recompensa, então realmente somos um grupo muito desprezível.”

Albert Einstein

 

O medo manifesta-se de várias formas e tem origens diversas. Tudo o que eu possa dissertar sobre este assunto não passará de meras conjeturas quando relacionadas com o que dizem grandes pensadores e, principalmente, aqueles que viveram situações reais:

 

“À medida que nos libertamos do nosso próprio medo a nossa presença liberta automaticamente os outros.”

“Eu aprendi que a coragem não é a ausência de medo, mas o triunfo sobre ele. O homem corajoso não é aquele que não sente medo, mas aquele que conquista por cima do medo.”

Nelson Mandela

 

“No outro lado de cada medo está a liberdade”.

Marilyn Ferguson

 

“Não aprendeu a lição da vida quem não domina o medo de cada dia”.

Ralph Emerson

 

“O meu maior medo foi sempre o de ter medo – física, mental ou moralmente – e deixar-me influenciar por ele e não por sinceras convicções”.

Eleanor Roosevelt

 

“De todas as paixões, o medo é aquela que mais debilita o bom senso”.

Jean Retz

 

“Um dos defeitos do medo é perturbar os sentidos e fazer que as coisas não pareçam o que são”.

Miguel Cervantes

 

O medo manieta as pessoas, impede-as de pensar livremente e abre caminho fértil para a cacicagem. A cacicagem política consiste em urdir uma rede de influências, cujos tentáculos se estendem e envolvem interesses pessoais e familiares. A conjuntura económica e social em que vivemos promove facilmente estas teias levando a que, por interpostas pessoas, o cacique mantenha a sua influência, arrebanhando e comprometendo o máximo de pessoas possível.

Definição de cacique:

“Indivíduo que tem influência política em determinada região e que, na ocasião de eleições arranja eleitores a favor de certo candidato”. (Dicionário Informal)

Prisioneiras do medo e dos compromissos as pessoas sucumbem às ameaças mais ou menos veladas, implícitas ou dissimuladas de quem lhes dá emprego ou o poderá facilitar a algum familiar ou amigo.

“A honra que recebemos daqueles a quem tememos em nada nos honra”.

Michel de Montaigne

Assim se mina e desvirtua a democracia, se amarfanha a intelectualidade, a capacidade de pensamento e livre expressão. Entretanto, aumenta a raiva surda mas contida a muito custo, o desalento, a sensação de impotência perante a situação.

O passo seguinte, reza a história, será o de eliminar quem se oponha, antes que as pessoas se revoltem.



publicado por livrecomoovento às 01:08
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Janeiro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


posts recentes

ESCOLARIDADE OBRIGATÓRIA

PLANO E ORÇAMENTO PARA 20...

O FAIAL E OS TRANSPORTES ...

O Milagre Económico

Os pontos nos iis

NÃO DEIXES QUE DECIDAM PO...

O MEDO E A CACICAGEM

Um político que de irrevo...

SEMANA DO MAR - Programas...

O CISCO A ENCOBRIR A TRAV...

arquivos

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Junho 2006

links
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds